fbpx

Porque NÃO usar DSLR para Transmissão AO VIVO?

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

A tecnologia de câmeras evolui muito rápido, a cada ano surgem modelos de câmeras com recursos novos e com atualizações de firmware  (software interno) talvez esse texto seja obsoleto se vc estiver vendo esse site em 2023 mas gostaria de colocar alguns pontos pelos quais hoje não utilizo uma DSLR para transmissão ao vivo.

Não é a toa que as as DSLR (Digital Single Lens Reflex) trouxeram mudanças significativas no modo de produção de vídeos (há quase 10 anos com o lançamento da Canon 5D e 7D), uma câmera com um ótimo custo benefício o que tornou mais acessível produzir conteúdos com “qualidade” principalmente para internet. Eu coloquei o qualidade entre aspas porque apesar de elas terem uma ótica excelente, um sensor grande que contribui para uma profundidade de campo baixa, e ISO elevado possibilitando filmar com pouca luz, o principal gargalo ainda é o codec de gravação H.264 8 bits 4:2:0, isso é um assunto para um próximo dia.

LIMITAÇÕES

O que eu gostaria de deixar claro é que SIM, é possível fazer transmissão ao vivo usando sua câmera DSLR, embora NÃO seja o mais indicado.

DSLR são câmeras fotográficas que possuem o recurso de gravar vídeos em Full HD, usar o sinal delas para fazer transmissão ao vivo é preciso usar a saída HDMI e aí que entra o primeiro problema em relação às filmadoras, a maioria das DSLR de entrada e alguns modelos profissionais não disponibilizam de saída limpa pelo HDMI, ou seja, aquelas informações do LCD da câmera vão para a transmissão. Existem alguns modelos que disponibilizam do clean out pelo HDMI mas costumam custar bem mais caro.

Conheça nesta série 5 formas de como transmitir o culto ao vivo da sua igreja.

SINAL DE VÍDEO

Outro ponto que gostaria de colocar, é que elas não param de filmar após  30 minutos ligada usando apenas a saída de video pelo hdmi, isso porque a câmera não está usando o encoder interno de gravação no cartão SD, o sinal de vídeo está saindo do processador da câmera como se estivéssemos usando um output para um monitor externo. Modelos mais antigos de câmeras podem sofrer alterações na resolução de saída HDMI  caindo para 480p quando gravado simultaneamente no cartão de memória, sua transmissão ao vivo será no modo Standard.

SUPERAQUECIMENTO

Isso depende muito das condições em que a câmera está no ambiente, se o operador ficar com a câmera na mão por exemplo, pode contribuir para o aquecimento do equipamento, embora acredito que se você não usar a gravação no cartão de memória ela não vai aquecer tanto.

FOTOMETRIA EM MODO VIDEO

Em questão de fotometria é possível ajustar os valores de ISO (gain) ,Shutter (obturador) e  Diafragma (Íris) como uma filmadora, modelos muito antigos como a Nikon D3100 é preciso sair do modo Live View para fazer esses ajustes e o shutter é automático em 1/48. Ao meu ver o sensor muito grande das DSLR (APS ou Full Frame) comparada as filmadoras (⅓ polegada) podem atrapalhar o cinegrafista com pouca experiência, o risco de ter uma imagem desfocada pela pouca profundidade de campo é muito grande e ficar ajustando o foco toda hora incomoda quem está assistindo e pode parecer amador.

Conheça aqui 5 filmadoras de baixo custo para usar na transmissão ao vivo da sua igreja.

ERGONOMIA E FLEXIBILIDADE 

A ergonomia das DSLR é também um fator negativo, claro que deixando ela parada num tripé não vai ter tantos problemas mas com uma filmadora é possível ter maior flexibilidade para fazer determinado enquadramento e movimentos como zoom in e out com maior fluidez do que com uma DSLR. O sistema de foco e zoom das DSLRs são mais “rígidos” comparado a uma filmadora. É preciso ter mais de uma câmera para ficar trocando de corte de uma para a outra enquanto o operador ajusta o enquadramento.

CONSIDERAÇÕES

Pensando em quem está começando e quer investir em uma câmera voltada para fazer live streaming vá direto para uma câmera filmadora, nem que seja uma handycam consumer (veja o artigo do Rodrigo sobre câmeras). As DSLR podem ter o diferencial do “look cinematográfico” só que no final das contas você poderá gastar mais comprando uma câmera com clean out, lentes boas, baterias e outros acessórios do que uma handycam. As DSLR são indicadas para um trabalho onde haverá um processo de edição posterior em que cinegrafista tem um maior controle do ambiente em que será filmado, possibilitando fazer takes curtos, troca de baterias e lentes com maior frequência durante a gravação.

Saiba tudo sobre Intercom para a comunicação com sua equipe.

Se gostou da matéria, deixe seu comentário, até a próxima!

Share.

About Author

Formado em Comunicação Social em Rádio e TV pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Desde 2008 atuando na área de audiovisual, trabalhou em empresas como: Fundação de Rotarianos de São Paulo e Centro Universitário Belas Artes de São Paulo como Técnico de Audiovisual. TV SBT São Paulo como Editor de VT (Núcleo Jornalismo) e atualmente é Editor Online (Pós Produção) na Produtora O2 filmes. Membro da Igreja Comunidade Cristã de Poá -SP, é voluntário na coordenação do departamento de vídeo da igreja.